quinta-feira, 19 de agosto de 2010

Papo de Quadrinho viu: O Último Mestre do Ar

Por Eduardo Marchiori (*)

Estreia amanhã, em circuito nacional, o filme O Último Mestre do Ar, baseado no anime por Michael Dante DiMartino e Bryan Konietzko e exibido pelo canal Nickelodeon. A convite da Paramount Pictures Brasil, Papo de Quadrinho acompanhou a exibição exclusiva para a Imprensa na última quarta-feira (18).

O filme conta a história de Aang, o garoto que possui o poder de controlar os quatro elementos (ar, água, terra e fogo), motivo pelo qual ele é profetizado como Avatar, um ser único e especial que nasce uma vez a cada século.

A trama se desenrola numa terra fictícia, separada em quatro reinos, cada um com o nome de um dos elementos e com alguns habitantes capazes de controlar apenas o elemento de seu reino. O povo da Nação do Fogo usa o seu poder para dominar os outros enquanto tenta encontrar o profetizado Avatar para adquirir o poder absoluto e dominar todo planeta.

Enquanto isso, a jovem Katara, dominadora da água, e seu irmão Sokka encontram, preso no gelo, o jovem Aang. Ao libertá-lo, descobrem que ele é o último dos dominadores do ar (daí no nome do filme) e que havia estado no gelo por mais de 100 anos, desde que fugiu do templo onde treinava o controle de seus poderes.

O pequeno mestre chama a atenção do Príncipe Zuko, da Nação do Fogo, que descobre que ele é o Avatar e vê aí a possibilidade de recuperar sua honra perante o seu pai, o Senhor do Fogo Ozai, que havia expulsado Zuko por não considerá-lo digno. Embora Aang possua o poder de controlar todos os elementos, ele não tem o treinamento adequado.

Começa então, sua caminhada rumo à fortaleza da Tribo da Água do Norte para aprender a dominar este elemento. Acompanhado de Katara e Sokka, e perseguido por Zuko, Aang vai ter que encontrar em si mesmo a força necessária para vencer os desafios e conseguir cumprir sua missão de unificar todos os reinos e acabar com a dominação da Nação do Fogo.

O filme é o primeiro de uma trilogia e, por isso, cabe avisar que ele tem um final aberto, dando o gancho para a segunda parte. É que, como no anime, cada uma das três partes trata de um “tomo”, ou capítulo. Este é o “Tomo Um: Água”, o próximo será a Terra e, por fim, o Fogo.

Vale destacar a atuação de Noah Ringer, que interpreta Aang: apesar de ser seu primeiro trabalho como ator (ele é campeão de artes marciais de Dallas), o jovem está perfeitamente à vontade no papel. Tanto ele quanto Zuko (o ator Dev Patel, de Quem quer ser um milionário?) são faixas-pretas de Taekwondo.

Aliás, uma curiosidade: para diferenciar os domínios dos elementos, foram usados estilos de lutas diferentes: Baguazhang para o Ar, Tai Chi para a água, Hung Ga para a Terra e Kung Fu Shaolin para o Fogo.

O diretor M. Night Shyamalan também teve o cuidado de escolher um elenco de mestiços, simbolizando todas as nações da terra. São descendentes de coreanos, japoneses, mongóis e africanos de todas as idades, num total de mais de seis mil atores.

O filme tem bons momentos, efeitos especiais bem realistas (as cópias em 3-D não fazem tanta diferença) e ação na medida certa para agradar à garotada, mesmo aqueles que não conhecem o desenho animado.

Fica a dúvida se vai agradar os pais na mesma medida mas, certamente, O Último Mestre do Ar não decepciona. Agora, resta esperar as continuações.

(*) Eduardo Marchiori é colaborador da revista Mundo dos Super-Heróis e editor do blog sobre quadrinhos e cultura pop O X da Questão.

5 comentários:

Poeta disse...

A reporter da revista Veja disse que o filme é ruim, com cenários que parecem vindos de alegoria de escola de samba. Que o diretor só vem despencando nas produções. Eu gostei de ler essa crítica pois, como fã, queria saber se era "verdade" o que ela dizia, fico feliz que não e tô aguardando ansioso.

Jota Silvestre disse...

Bom que gostou, Poeta. Depois que assistir, deixe sua opinião aqui novamente.

Abs

Mutante X disse...

Costumo dizer que críticos levam a sério demais a função de criticar. Mas também temos que levar em consideração que cada um tem um ponto de vista. Pelo meu, o filme foi bacaninha. Nada espetacular, mas diverte. Acho que os fãs vão gostar. Também queria saber a opinião do Poeta depois.

sarah disse...

Eu vi o filme.
E,na minha opinião,e perfeito tanto os cenarios quanto os efeitos especiais estão no ponto.
Ah!Tem uma coisa que eu queria dizer e que o Dev Patel ficou perfeito no papel de Zuko,por que ele se parece mais com Cliff Curtis que representa Ozai.Jesse McCartney estava escalado para ser o ator original mais foi substituido por causa dos conflitos em sua agenda .
E parece que ele si deu mal! mais tambem nao tinha nada a ver com o papel.
Bom voltando ao assunto o filme e otimo!!!Tem amigos meus que estão se estapiando pra ver que vai primeiro nos cinemas para ver a segunda parte.

sarah disse...

Eu fui ver o filme.
Posso garantir que suas proporções são perfeitas tanto nos cenarios,que foram muito bem criados,quanto nos efeitos especias que foram bem distribuidos em todas as cenas.
Ah!e uma coisa que eu que eu queria falar e que Dev Patel ficou otimo no papel de Zuko,por que se parece muito com Cliff Curtis que iterpreta Ozai.Lembrado que o ator original era Jesse McCartney que foi substituido por causa de sua indisponibilidade para gravar.
Mais tambem não tinha nada a ver com papel,pois Zuko e Ozai tem traços aziaticos ,e convenhamos,pai tem que parecer co filho.E olha que tem muitos amigos meus que estão se estapiando para ver quem vai primeiro ao cinema ver a segunda parte.
Bom voltado ao assunto, eu posso garantir pra vocêis com todas as letras do nosso querido alfabeto que o filme e OTIMO um dos filmes mais perfeitos que eu ja vi!!!