segunda-feira, 6 de abril de 2009

5 Perguntas: Especial Emir Ribeiro

Amanhã, 7 de abril, o paraibano Emir Ribeiro completa 50 anos.

Aos 14 anos, em 1973, Emir criou sua personagem mais famosa, Velta, para o jornal do colégio. Apenas dois anos depois, passou a publicar em periódicos de circulação estadual, A União e O Norte, lançando outros personagens, como o índio Itabira, a andróide Nova e o Homem de Preto.

Com mais de 35 anos de carreira, hoje Emir dedica-se a produzir suas revistas em edições limitadas.

“Só mantenho a publicação de revistas por três razões: 1) Porque gosto de criar personagens e produzir quadrinhos; 2) Porque tenho um público, mesmo que ínfimo, em relação aos tradicionais personagens estrangeiros; e esse público tem de ser abastecido com novidades, e sobretudo, respeitado; 3) Porque dar algum exemplo incentiva os mais novos (e quem sabe estes consigam alguma fórmula mágica e se dêem melhor que eu e outros da minha geração)?”, me disse ele recentemente.

Em comemoração aos 50 anos de Emir Ribeiro, Papo de Quadrinho reproduz a entrevista que o quadrinhista concedeu a este blog no dia 23 de novembro de 2008. Parabéns, Emir!

1) O que faria as grandes editoras brasileiras se interessarem por publicar regularmente uma HQ com super-heróis nacionais?
Talvez numa única e até improvável hipótese: se o herói brasileiro fosse publicado por uma editora dos Estados Unidos e fizesse sucesso por lá. Portanto, a chance de isso acontecer é milimetricamente próxima de zero, pois o mercado estadunidenese é quase completamente fechado às criações estrangeiras (ainda mais, sendo latinas).

2) Como era sua relação com Gedeone Malagola e quando surgiu a idéia do encontro entre Velta e Raio Negro?
Comecei a me corresponder com Gedeone por volta de 1979 e 1980, até que um dia ele veio me visitar, e aí, pessoalmente, trocamos ainda mais idéias. O encontro entre nossos personagens foi uma delas. Outra foi de eu tentar fazer uma releitura das antigas histórias do Raio Negro. Após sua visita, continuamos nos correspondendo, ou às vezes, telefonando um para o outro. Devido às contingências das ocasiões, o projeto Velta & Raio Negro foi sendo adiado por anos e anos. Fizemos uma tentativa em 2002, pensando que continuariam aqueles formatinhos coloridos nacionais da Editora Escala. Dois amigos - Felipe Meyer e Erick Lustosa - escreveram um roteiro, mas, por motivos diversos o projeto não seguiu adiante.
Foi quando em 2007, decidi: ou iria naquele ano, ou não iria mais nunca. Escrevi a Gedeone e lhe garanti que agora Velta e Raio Negro se encontrariam, de qualquer maneira. Foi quando ele, muito bem humorado, e achando que poderia haver um confronto entre os pesonagens, disse: "Se houver briga, não faça o Raio Negro apanhar muito da Velta."Em seguida, ouvi boatos de que havia gente interessada em torpedear o projeto, e por precaução, pedi a Gedeone para me redigir uma autorização. Foi a última carta recebida dele, de maio de 2008. No final de agosto e início de setembro, comecei a desenhar, mas aí, o mestre veio a falecer no dia 15 daquele mês.Contei toda essa história (com imagens de algumas cartas do Gedeone) na própria edição. Quem comprar, vai saber disso e mais detalhes.

3) Tenho a impressão de que o Brasil é rico em desenhistas mas carente de roteiristas para quadrinhos? A que você atribui isso?
Certamente, há mais desenhistas do que roteiristas, e confesso não ter idéia e nem conjectura sobre a causa dessa desigualdade. É certo que faltam três coisas principais na maior parte dos roteiros brasileiros: pesquisa, ousadia, e fuga dos clichês. São raros os que conseguem preencher esses três requisitos.

4) Qual sua visão sobre as webcomics? São um caminho para a HQB ou nunca vão substituir o prazer de se folhear uma revista?
Não sei quanto às outras pessoas, mas eu não gosto de ler quadrinhos na internet. A posição é desconfortável. Muito tempo diante da tela irrita os olhos (por isso, nem passo muito tempo defronte um monitor de computador). E ainda se corre o risco de uma queda de energia para atrapalhar a leitura. Nada substitui a velha e boa revista impressa, que pode ser lida até ao ar livre, embaixo de uma árvore, deitado numa rede.

5) O que podemos esperar para os próximos 35 anos da Velta?
Para começar, muitas mudanças. E esse indicativo de novos rumos já ficou patente na própria edição dos 35 Anos de Velta, quando tradicionais elementos das histórias de Velta já sofreram modificações. Na conturbada história "O dia da independência", por exemplo, já são ventiladas alterações no futuro da loura.

Site oficial: http://www.emirribeiro.com.br/
Blog: http://fotolog.terra.com.br/hqpb

24 comentários:

Berengario disse...

Velta não dá pra engolir, Jota.

Sei q vc deve ser um camarada batuta, quer dar uma força, mas sinto muito, entendo sua vontade de dar uma força aos heróis nacionais, mas Velta é foda.

Se o "mestre" Emir usasse metade do que ele sabe para fazer um trabalho bom, a galerinha até que ia dar um apoio, mas o cara é ruim de doer. Nossa, é mais feio que encoxar a mãe no tanque. Isso é pra chorar.

Baixar, ler e chorar de desgosto. Depois queimar e jogar sal. Fui!

Massivo disse...

A Velta precisa de conteúdo e uma proposta. Séria ou não. Porque depois de 300 anos de uma existência que não acrescentou NADA à produção nacional, o autor e a personagem podiam deixar a máscara cair e fazer o que a Rita Cadilac e a Gretchen fizeram: histórias pornôs.

Porque eu não caio na conversa da sensualidade que o Emir coloca nas páginas que desenha - aquilo é pornô enrustido, e um mau pornô, por sinal. Ou ele faz uma versão Ultimate ou Brasileirinhas, ora essa.

Jota Silvestre disse...

Hmmm... Velta sempre rende aqui no Papo. "Não acrescentou nada à produção nacional", Massivo? Desculpe, mas não posso concordar.

Quem você diria que acrescentou algo (no gênero de super-heróis, bem entendido. Nada de comparar com Maurício de Sousa ou Angeli).

Abs!

Jota Silvestre disse...

Berengario, respeito sua opinião mas obviamente não concordo. Posso te apontar uma dezena de quadrinhos mainstream gringos que perdem feito para a Velta.

Abs!

A Rebel disse...

Parabéns pro Emir...
Grande homenagem, Jota... e boa lembrança tbm.

Anônimo disse...

"Posso te apontar uma dezena de quadrinhos mainstream gringos que perdem feito para a Velta"

Menos, Jota, menos. Tudo bem fazer a homenagem, não duvido que o Emir seja um cara legal, mas vai com calma, sem exagero. Nem o Savage Dragon ganha da Velta em nível de ruidade! [ ]s

Anônimo disse...

Concordo com o Massivo, Velta não acrescentou nada mesmo à produção nacional!

Faz uma pergunta extra pro Emir, Jota: "Por que a Velta é tão feiosa, mal feita, torta. está sempre na ponta dos pés e nem um pouco atraente?"

PelamordeDeus pra que perder tempo com isso se posso ler Druuna?

Anônimo disse...

E tambem concordo com o Jota: Velta sempre rende aqui.

Velta, Emir Ribeiro, até mesmo aquele salafrário do Blenq... pena que não são comentários positivos, são todos comentários vindos de pessoas que NÃO engolem qualquer porcaria que "autor" nacional faz.

Veja bem: se o mano desenhasse a Velta de forma sensual (como a Druuna, Mary Jane, Tempestade, Vampira, etc), com boas histórias, tenho certeza que o povo que fala mal ia começar a falar bem.

Jota Silvestre disse...

Insisto: já vi HQs piores do que a Velta, muito piores, feitas aqui e lá fora.

Não estou aqui para defender ninguém, mas acho que o pessoal pega muito pesado com a produção do Emir.

Gostaria de entender por quê...

Anônimo disse...

Jota, o pessoal pega muito pesado com a produção do Emir apenas porque ele desenha mal, escreve mal e sua proposta de fazer uma heroina brasileira sensual é furada.

O mais próximo que alguém chegou de fazer uma brasileira sensual foi exatamente a já citada Druuna que vcs devem saber, foi baseada na silueta da mulher brasileira.

Se em 30 anos o kara não aprendeu a desenhar a figura humana não aprende mais!

Anônimo disse...

O que eu acho mais intrigante é que a Velta tem mais de 1000 páginas de hqs produzidas e os que falam mal nunca leram nenhuma.

Társis Salvatore disse...

Gostar ou não é uma questão subjetiva. O que eu gosto, outro não gosta e vice versa.

Isso pode se dabatido à vontade, mas uma coisa não muda e eu sei que falo em nome do Jota quando digo que o Papo de Quadrinho, SEMPRE vai dar espaço para divulgação da produção nacional, seja de um iniciante, fanzineiro, RPGista ou de um veterano como o Emir Ribeiro.

Disso o blog não abre mão.

Fora isso, cada um consome e gosta do que quiser. Desde que não agridam a pessoa do autor, nem nesse post nem em nenhum outro.

Abs!

Anônimo disse...

Concordo + 1 vez com vc Jota: existem HQs muito piores do que a Velta, mas vem cá... por que elas vendem e o Emirzão não??

Sabe o que eh mais interessante? Liefeld e Emir são horríveis, toscos mesmo, mas o Liefeld vende mihões e o Emir não. Por que será?????

Jota Silvestre disse...

Taí uma pergunta interessante, que acho não ter só uma resposta.

De cara, o que posso dizer é que não dá pra comparar uma HQ que tem por trás todo uma estrtura de marketing e distribuição com a produção independente feita pelo Emir.

Anônimo disse...

Observem que esses "críticos" só sabem partir para agressões pessoais, escárnio, xingamentos, enxovalhação, falta de respeito, e tudo regado a raiva... MUITA RAIVA.

Porque tanta raiva de alguém que só está fazendo seu trabalho para seu público e não agride ninguém?

E, como disse alguém aí: Quem gostar, lê, e quem não gostar, não lê.

Quer perfeição? Vá para outro mundo, pois aqui na Terra, não irá encontrar.

Nem necessária é toda essa campanha difamatória para forçar os leitores a deixarem de consumir Velta ou qualquer personagem que seja.
Aliás, pior do que desnecessária: é ilógica e irracional.

Se tem tanto ódio do artista e de seus persoangens, porque ficam nessa rinha idiota e insistência besta em desqualificar, denegrir e desmerecer? Isso é coisa de masoquista burro e irracional.

Dr. Spock

Carlos disse...

Foi esse moço, Emir, que desenhou a capa daquela revista "Velta e Raio Negro"? Pelo amor de Deus, se foi, ele é pior que o pior discípulo de Rob Liefeld. Aquele desenho é ridículo. A mulher está numa pose impossível, parece que está dançando a "Dança do Siri" nas pontas dos pés. O desenho é péssimo, o arqgumento ridículo, esse cara é persistente, afinal, a vida toda contnua insistindo em aprender a desenhar, mas é ruim demais. Sobre ter coisas piores, deve ter, com certeza, mas aí você começa a nivelar por baixo, e com razão, pois a coisa é de baixo nível mesmo, tanto em termos de roteiro como em desenhos, infantis, rudimentares. A turma cai de pau porque é ruindade mesmo, não dá para perder tempo com isso, quanto mais gastar dinheiro, ainda mais em tempos de crise. Esse nem com todo o marketing do mundo, venderia nada. É medíocre e pronto! Mais nada. Aliás, nem merece ser comentado, somente pela persistência do cara. Dá pena!

Carlos disse...

Eu acho que ninguém tem ódio do cara, mas, a partir do momento que você coloca algo para o público, está passível de ser elogiado, quando merece, ou de levar porrada, quando a turma acha ruim a coisa. No meu caso, eu acho de uma ruindade tremenda a "obra" desse rapaz. Não sabe desenhar, não tem boas idéias para roteiro... Então, se publicou aceite os comentários, bons ou ruins. Se não está agradando, procure melhorar. As opiniões contrárias, que são maioria, mostram que a coisa não vale a pena. Eu já tentei ler alguma coisa dessa Velta, não consegui passar de 3 páginas. Fazer o quê?

Jota Silvestre disse...

Carlos, veja trecho da nota publicada aqui no Papo de Quadrinho sobre esta HQ no dia 20/11/2008:

"Segundo Emir, a capa – desenhada por Marco Santiago e finalizada por ele mesmo – é uma homenagem às capas da Ebal (Editora Brasil América) dos anos 60".

Anônimo disse...

Fui eu quem fez a capa do encontro da Velta com o Raio Negro, Carlos, a pedido do Emir, a qual tive de seguir a idéia dele para a capa, sendo assim, a idéia de capa não é minha. Até o Disco Voador, o Emir me pediu para fazer algo parecido com o Disco da antiga série The Invaders, a qual tenho alguns episódios em casa, enviados por um amigo americano. Ne verdade, eu desenho um pouco melhor que aquilo! Ah, em tempo: quem disse mesmo que Rob Liefeld vende? Não sei quanto a quem afirmou isso, mas EU não compro nada do famigerado Liefeld. Ele é sacana, mau-caratér...que o diga Mike Deodato.

Anônimo disse...

"Carlos" disse:

"As opiniões contrárias, que são maioria, mostram que a coisa não vale a pena."

A MAIORIA DOS ANÔNIMOS, VC QUER DIZER, NÃO É?
PORQUE JÁ FIZ PESQUISA NO GOOGLE, E MAIORIA DOS SITES FALA BEM DA VELTA E DO EMIR RIBEIRO, MAS SÃO SITES ONDE OS AUTORES ASSUMEM O QUE ESCREVERAM.
JÁ OS "ANÔNIMOS", "SIMILARES" E "GENÉRICOS" QUE METEM O PAU SÃO MINORIA.
QUALQUER UM AQUI PODE IR NO GOOGLE E PESQUISAR.
PEGA NA MENTIRA, NÃO É , SR. "CARLOS" (OUTRO ANÔNIMO... É CARLOS DE QUÊ?)

A, E NÃO ME DIGA QUE ESSE DESENHO DAÍ DA VELTA ESTÁ FEIO, HORROROSO E TORTO, PORQUE NÃO ESTÁ. QUALQUER UM DE BOM SENSO SABE QUANDO O DESENHO É MUITO RUIM, E ESTE DAÍ COM CERTEZA NÃO É! SÓ SE O CARA TIVER UM DEFEITO FEIO NA VISTA PARA DIZER QUE ESTÁ RUIM!

.....VELTA FAN......

Kamen Rider disse...

O cara reclama de que os detratores da Velta são anônimos, mas o maluco também não se identifica.

Surreal lol

(E sim, Velta é ruim demais, quando o argumento dum defensor é um tem coisa pior sendo publicada lá fora já mostra como tá mal a parada)

Jota Silvestre disse...

Sob muitos aspectos, Kamen, "a parada tá ruim" mesmo, aqui e lá fora.

Abs!

Marco Anarco disse...

Mó burrice, o Társis tem razão, nem sempre o que agrada um fã vai conquistar todos os nerdy. Questão de gosto.

Depois a treta particular entre alguns Anonimos, vira uma disputinha mó nada ver de HQ Nacional x HQ Americana, outra burrice sem tamanho. Ai finalmente ganha aquele ar de divulgar ou não o desenhista brasileiro.

O Jota tá certo, tem que divulgar e quem não gostar compra outra coisa, tá certo? Eu só compro o que gosto. Fui

literatura juvenil disse...

Cara, não é possivel!
Depois de 35 anos esse tal de Emir continua desenhando sua persongem do mesmo jeito, isto é, com aquela cara de sonsa, com poses completamente estranhas e com aqueles peitos que não tem nada a ver...